Archive for the ‘governo japonês’ Category

Os jovens japoneses que estão trabalhando literalmente até a morte

trabalhadores no japao

Michiyo Nishigaki encheu-se de orgulho quando seu único filho, Naoya, conseguiu um emprego em uma grande empresa de telecomunicações japonesa, assim que concluiu a universidade.

Naoya adorava computadores, e o novo emprego parecia ser uma ótima oportunidade profissional no competitivo ambiente corporativo japonês.

Dois anos depois, porém, a mãe começou a notar problemas.

“Ele me dizia que estava ocupado, mas que estava bem”, relembra Michiyo.

“Até que ele veio para casa para comparecer ao velório do avô e não conseguia sair da cama. Ele me dizia: ‘Me deixe dormir um pouco. Não consigo levantar. Desculpe, mãe, mas me deixe dormir”, acrescenta.

Mais tarde, ela soube por intermédio de colegas que o filho estava trabalhando dia e noite.

“Em geral, ele trabalhava até o horário do último trem, mas se perdesse esse acabava dormindo no escritório”, conta a mãe. “Em casos extremos, trabalhava a noite toda até 22h do dia seguinte, totalizando 37 horas de trabalho.”

Naoya morreu aos 27 anos, de overdose de medicamentos. Seu caso foi oficialmente considerado um de “karoshi” – termo japonês para descrever a morte por excesso de trabalho.

O Japão tem tradicionalmente uma das jornadas laborais mais longas do mundo, e o fenômeno não é novo – o “karoshi” começou a ser identificado nos anos 1960. Mas casos recentes têm colocado o tema na pauta de debates no país.

Jornada
No Natal de 2015, Matsuri Takahashi, funcionária da agência de publicidade Dentsu, cometeu suicídio aos 24 anos.

Logo veio à tona a informação de que ela estava em estado de privação de sono e havia acumulado mais de 100 horas extras nos meses que antecederam sua morte.

Não é algo incomum, sobretudo entre jovens recém-iniciados no mercado de trabalho, explica Makoto Iwahashi, funcionário da Posse, organização que dá ajuda psicológica telefônica para essas pessoas.

Ele diz que a maioria dos telefonemas que recebe consiste em reclamações quanto a longas jornadas de trabalho.

“É triste, porque esses jovens profissionais acham que não têm alternativa”, diz Iwahashi à BBC.

“Ou você pede demissão ou trabalha 100 horas. E se você pede demissão, você não consegue viver”, acrescenta.

Para Iwahashi, a redução da estabilidade profissional aumenta a insegurança dos trabalhadores.

“Havia karoshi nos anos 1960 e 70, (mas) a diferença é que, ainda que eles tivessem que trabalhar por muitas horas (naquela época), eles tinham emprego garantido para a vida. Não é mais o caso.”

cultura da hora extra

Cultura da hora extra
Dados oficiais apontam que há centenas de casos anuais de “karoshi” no país, incluindo enfartos, derrames e suicídios decorrentes da estafa profissional extrema. Mas ativistas acreditam que o número real seja muito mais alto.

Quase um quarto das empresas japonesas tem empregados que excedem 80 horas extras semanais por mês – muitas vezes sem ganhos extras -, diz um estudo recente.

E, em 12% das empresas, os funcionários fazem mais de 100 horas extras por mês.

São números significativos: é a partir de 80 horas extras no mês que se nota um aumento da possibilidade de morte do funcionário.

O governo japonês está sob crescente pressão para conter o problema, mas se vê diante de uma tradição corporativa antiga – quem vai embora do escritório antes que seus colegas ou seu chefe passa a ser mal visto.

No início deste ano, o governo lançou as “sextas premium”, estimulando as empresas a permitir que seus funcionários saiam mais cedo – às 15h – na última sexta-feira do mês. Também incentivam os funcionários a tirar mais dias de folga.

Os trabalhadores japoneses têm direito a 20 dias de férias por ano, mas atualmente 35% deles não usam nenhum dia sequer.

longa jornada
Luzes apagadas
Nos escritórios do governo distrital de Toshima, no centro de Tóquio, recorreu-se à ideia de apagar as luzes às 19h, para forçar os funcionários a irem embora na hora certa.

“Queríamos fazer algo de visibilidade”, diz o gerente do escritório, Hitoshi Ueno. “Não se trata de apenas reduzir a jornada. Queremos que as pessoas sejam mais eficientes e produtivas, para que todos possam resguardar e aproveitar seu tempo livre. Queremos mudar o ambiente profissional em geral.”

O foco na eficiência pode fazer sentido: enquanto o país tem uma das jornadas laborais mais longas do mundo, é o menos produtivo entre os países do G7, grupo das nações mais ricas.

Mas críticos dizem que tais medidas são muito fragmentadas e incapazes de lidar com o problema central: que jovens profissionais estão morrendo por estarem trabalhando muito duro e por muitas horas.

Para alguns, a solução passa em estipular um limite legal às horas extras.

No início deste ano, o governo propôs restringir as horas extras a 60 horas mensais, permitindo que “em períodos de maior demanda” esse limite subisse a 100 – já na zona de perigo de “karoshi”.

Muitos acusam o governo de priorizar interesses econômicos ao bem-estar dos trabalhadores.

“O povo japonês conta com o governo, mas está sendo traído”, diz Koji Morioka, acadêmico que estuda o fenômeno do “karochi” há 30 anos.

Enquanto o debate avança, mais jovens têm morrido, e grupos de apoio a famílias enlutadas ganham cada vez mais membros.

Michiyo Nishigaki, mãe de Naoya, diz que seu país está “matando” sua mão de obra, em vez de valorizá-la.

“As empresas focam apenas nos lucros de curto prazo”, opina.

“Meu filho e outros jovens não odeiam trabalhar. São capazes e querem se sair bem. Deem a eles a oportunidade de trabalhar sem uma longa jornada ou problemas de saúde, e eles se tornarão um privilégio do país”, conclui.
Fonte: BBC Brasil por 

Japão vai aumentar período de recebimento do seguro desemprego

Trabalhadores temporários poderão receber o benefício por até dez meses

seguro-desemprego
O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social anunciou na quinta-feira (8) mudanças no atual Seguro-Desemprego e no Benefício ao Emprego, sistema que reúne subsídios para quem está procurando emprego, que inclui também treinamentos e cursos remunerados feitos pelas Agências Públicas de Emprego, informou a Agência de Notícias Jiji Press.

As mudanças anunciadas estendem o período de recebimento do Seguro Desemprego para uma determinada faixa etária, seja de trabalhadores efetivos ou temporários. Nesta última estão empregados a maioria dos brasileiros.

Os trabalhadores que possuem contrato de trabalho efetivo e que forem demitidos por decisão unilateral da empresa ou por falência da mesma terão estendido o recebimento do Seguro Desemprego por até 5 meses.

No entanto, esta medida só atingirá os trabalhadores que estão pagando o Seguro Desemprego por mais de um ano e que, na data da demissão, estiverem na faixa etária entre 30 a 44 anos de idade.

Já em relação aos trabalhadores temporários, que também forem demitidos antes do final do contrato ou por falência da empresa, o Seguro Desemprego poderá ser pago por até 10 meses, mesmo que o trabalhador tenha contribuído com o sistema por apenas 1 ano.

Está medida entrará em vigor de 2017 até 2021. Após este período, o Governo deverá analisar os resultados antes de decidir se o sistema será suspenso ou se continuará.
Fonte: Alternativa

Japão adotará medidas para ajudar alunos estrangeiros com dificuldades

Governo pretende instalar escolas focadas no aprendizado do idioma japonês

escolas no japaoO número de trabalhadores estrangeiros vem crescendo no Japão e, consequentemente, a presença de crianças de outras nacionalidades nas escolas japonesas está cada vez mais evidente.

Na segunda-feira (30), representantes do Ministério da Educação (Mext) se reuniram com especialistas para divulgar resumidamente dados de um relatório que contém informações sobre um novo plano de assistência educacional para as crianças estrangeiras, informou o jornal Mainichi nesta terça-feira.

Entre as medidas mencionadas está a abertura de escolas focadas no estudo de japonês e na assistência aos filhos de estrangeiros, mestiços e até crianças japonesas que possuem dificuldades com o idioma por terem passado parte da infância em um país estrangeiro.

Fundar uma organização de educadores e estagiários que possam orientar as crianças de forma individual, considerando as dificuldades com o idioma e de adaptação de cada um, também está nos planos do governo. Nos próximos meses, o Ministério da Educação pretende levantar as despesas destas ações para incluir no orçamento do próximo ano fiscal (que inicia em abril de 2017).

Dados de maio de 2014 até o momento mostram que há 73.289 crianças estrangeiras nas escolas japonesas, em todos os níveis de educação (shougakkou, chuugakkou e koukou). Deste total, 29.198 (40%) dos estudantes necessitam de auxílio no aprendizado do idioma japonês.

Além dos estrangeiros, há também casos de mestiços (filhos de japonês com outra nacionalidade) e japoneses que cresceram em um país estrangeiro, retornaram ao Japão e possuem dificuldade com o idioma nativo. São 7.897 crianças nesta situação, sendo que o número aumentou 1,6 vez na última década.

Entre as crianças estrangeiras nas escolas japonesas, os principais casos são de falantes nativos do idioma português, chinês e tagalo (filipino). Para auxiliar estas crianças desde a primeira infância, o governo também estimou a necessidade de contratar profissionais em creches, que possam orientar aos pequenos na língua materna, como um reforço na educação que antecede o período escolar.
Fonte: Alternativa

Salário alto atrai estrangeiros para os trabalhos de descontaminação em Fukushima

descontaminação em FukushimaUma reportagem do jornal Asahi, publicada no dia 24, revela que os altos salários estão atraindo os primeiros estrangeiros para os trabalhos de descontaminação das áreas afetadas pelo desastre nuclear de 2011, em Fukushima.

Um boliviano de 41 anos, entrevistado pelo jornal, passou o verão trabalhando na descontaminação da cidade de Iitate, na província de Fukushima. Pelo trabalho de aparar a vegetção ao longo das estradas, ele ganhava ¥16 mil por oito horas de trabalho.

O boliviano disse ao jornal que o pagamento que recebeu pelo trabalho em Fukushima foi o maior em seus 18 anos no Japão. Mesmo com a oposição da esposa, o homem se candidatou para uma vaga de trabalho na descontaminação. Segundo ele, das 10 pessoas que trabalhavam em seu grupo, 4 eram estrangeiros.

Um funcionário de uma empresa que contrata pessoas para trabalhar em Fukushima disse ao Asahi que a falta de trabalhadores japoneses para fazer o trabalho está obrigado as empresas a contratar estrangeiros. No início de 2015, a empresa enviou os primeiros 6 estrangeiros para trabalhar na descontaminação.

Mesmo ganhando o equivalente a ¥2 mil por hora de trabalho, o boliviano entrevistado pelo Asahi ganhou menos do que o salário de ¥25 mil por dia, sugerido pelo governo japonês para esse tipo de trabalho.

Apesar dos altos riscos envolvidos no trabalho de limpeza das áreas contaminadas, o boliviano pretende retornar a Fukushima. “Quero fazer novamente esse tipo de trabalho. Eu trabalhava em uma fábrica de autopeças, mas não era tratado como um ser humano. É diferente no local de trabalho de descontaminação”, disse o homem ao Asahi.

Em outubro, um homem que trabalhou na construção de instalações na usina nuclear de Fukushima foi diagnosticado com leucemia. Pela primeira vez, desde o desastre de 2011, o governo certificou o homem como tendo sofrido um “acidente de trabalho”.
Fonte: IPC Digital

Segundo governo japonês, média salarial teve aumento recorde em 2015

aumento salarial japaoDe acordo com uma pesquisa feita pelo Ministério do Trabalho, divulgada nesta quinta-feira (3), a média salarial dos empregados do setor privado teve um aumento recorde em 2015.

A pesquisa do governo mostrou que os salários aumentaram em média ¥5,282, o maior aumento desde 1999, quando a pesquisa começou a ser realizada anualmente.

O ministério recebeu informações salariais de 1.661 empresas com mais de 100 funcionários.

Um recorde de 85,4% das empresas pesquisadas disseram que aumentaram ou que planejavam aumentar os salários. Na pesquisa do ano passado, esse percentual era de 83,6.

Entre as grandes empresas, com mais de 5 mil empregados, os salários aumentaram, em média, ¥7,248, superando a barreira dos ¥7,000 pela primeira vez, de acordo com o governo.
Fonte: IPC Digital com Asahi

Japão: novas medidas de incentivo para famílias com mais de 3 filhos e casamento

família no JapãoO governo japonês anunciou hoje (20), novas medidas para os próximos 5 anos, para incentivo às famílias com mais de 3 filhos e em relação ao casamento, por conta da baixa na taxa de natalidade.

Em relação ao terceiro filho da família pretende diminuir o fardo financeiro, como seguro de saúde gratuito e preferência na hora de matriculá-lo na creche, com o apoio das autoridades locais.

Para incentivar o casamento pretende contar com as autoridades locais para aumentar espaços para a promoção de eventos de encontros entre homens e mulheres e estabilização de emprego aos jovens.

O governo vai pedir às empresas para criar programas de incentivo e conscientização da participação do homem nas tarefas domésticas e cuidados com os filhos, pois essas são as principais barreiras para o aumento da taxa de natalidade. Nesses programas pretende incluir a correção das longas jornadas de trabalho dos homens e aumentar o percentual de solicitação de licença paternidade quando do nascimento do filho do casal para, pelo menos 13% até 2020, pois em 2013 foi de apenas 2%.

Também vai criar em todo o Japão Centro de Apoio Integral à Geração da Educação Infantil (Kosodate Sedai Hokatsu Shien Senta). Solicitou incluir no material didático das escolas a conscientização sobre a gravidez e o parto.
Fonte: IPC Digital

Reforma de governo no Japão reforça papel da mulher

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realizou hoje sua primeira remodelação de governo em 20 meses, na qual aumentou o número de mulheres no gabinete

shinzo abe e membros do gabineteEm um momento em que sofre uma queda de popularidade, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realizou hoje sua primeira remodelação de governo em 20 meses, por meio da qual manteve os principais postos do Executivo mas aumentou para cinco o número de mulheres em seu gabinete.

Abe, que não substituiu um só ministro durante mais de 600 dias, batendo um recorde na política japonesa, decidiu hoje manter seis pastas e renovar doze, o que, segundo suas palavras, marca o início da segunda etapa de seu governo.

Não houve grandes surpresas na reforma e o líder conservador, que chegou ao poder em dezembro de 2012, decidiu conservar quatro dos pesos pesados do Executivo, considerados seus mais próximos colaboradores.

Foram mantidos em suas pastas os ministros das Finanças, Taro Aso, o de Revitalização Econômica, Akira Amari, o das Relações Exteriores, Fumio Kishida, e o chefe de gabinete e porta-voz do governo, Yoshihide Suga, "veteranos soldados" da difícil política japonesa, segundo Abe.

Além disso, vão seguir em seus cargos os ministros da Educação, Hakubun Shimomura, e de Transporte, Akihiro Ota, membro do partido budista Novo Komeito, que forma a coalizão de governo ao lado do liberal-democrata (PLD).

A grande novidade foi protagonizada pelas mulheres, que somaram cinco ministérios, três a mais do que até o momento e um número que não era alcançado no Japão desde o governo de Junichiro Koizumi, de 2001 a 2002.

Entre as novas nomeações se destaca a de Yuko Obuchi, filha do antigo primeiro-ministro Keizo Obuchi, que foi designada ministra da Economia, Indústria e Comércio, e que aos seus 40 anos se transforma no membro mais jovem do Executivo.

Trata-se de um cargo importante, pois Obuchi, que já ocupava cargos de responsabilidade no governo de Abe, será a responsável pelo poderoso METI japonês, onde são decididas as políticas industriais da terceira economia do mundo e onde se deverá estabelecer o incerto futuro energético do país.

As outras quatro mulheres do gabinete são Midori Matsushima, nova ministra da Justiça; Eriko Yamatani, nomeada para a pasta responsável por lidar com o sequestro de cidadãos japoneses pela Coreia do Norte; Sanae Takaichi, ministra de Administração e Interior, e Haruko Arimura, ministra de Ativação da Mulher.

"São mulheres capazes de realizar grandes políticas. Espero conseguir uma sociedade onde todas as mulheres possam se sentir orgulhosas e confiantes em seu trabalho", disse o primeiro-ministro do Japão.

O aumento da presença feminina faz parte dos esforços de Abe para realizar uma limpeza na imagem de seu partido e cumprir com seu compromisso de estimular o protagonismo da mulher na sociedade japonesa, onde a supremacia masculina é arrasadora.

Neste sentido, o governo japonês iniciou uma estratégia conhecida como "Womenomics", cujo objetivo é aumentar a proporção de mulheres em cargos de responsabilidade para 30% até 2020, tanto no setor público como no privado.

A remodelação anunciada hoje foi realizada em um momento no qual os índices de popularidade de Abe, que se mantiveram inalterados em cerca de 70% durante a maior parte de seu mandato, caíram até 20%.

A principal razão são as mudanças na pacifista Constituição do país, alterada para que as forças armadas do Japão sejam mais ativas em nível mundial e possam participar de conflitos internacionais.

A primeira parte de seu mandato, que qualificou hoje como "um período de estabilidade", foi dominada sobretudo pelo início de uma contundente política econômica conhecida como "Abenomics", baseada principalmente em uma agressiva flexibilização monetária.

A política conseguiu reanimar a economia japonesa após quase duas décadas de letargia marcadas pela deflação crônica.

O hiperativo primeiro-ministro, que visitou quase 50 países em menos de dois anos de governo, afirmou que sua principal missão é a recuperação econômica e que, apesar do esforço feito, "ainda se está no meio do caminho".
Fonte: Exame com EFE

O Nihon - Curiosidades sobre o Japão

Passagens aéreas, pacotes turísticos, visto japonês, venda Japan Rail Pass

Passagem para o Japão - Ligue 11 3101-8193

Passagens aéreas, pacotes de turismo, seguro viagem, reserva em hotel, visto japonês, venda Japan Rail Pass

Viagem para o Japão

Passagem aérea e pacote de turismo para o Japão

Vaga no Japão

Vagas e notícias do Japão

Japan Rail Pass - JRP

Passagens aéreas, pacotes turísticos, visto japonês, venda Japan Rail Pass

Visto japonês: nissei, sansei, yonsei, cônjuges e turismo

Como tirar visto japonês - contato@vistojapones.com.br - www.vistojapones.com.br

Trabalho no Japão

Passagens aéreas, pacotes turísticos, visto japonês, venda Japan Rail Pass

Empreiteiras no Japão

Emprego - passagem aéea - tradução - visto para o Japão, telefone 11 3101-8193

Emprego no Japão em 2017

Passagens aéreas, pacotes turísticos, visto japonês, venda Japan Rail Pass

Aeroportos de todo o mundo

Informações sobre os principais aeroportos e companhias aéreas

Informações sobre empregos no Japão

Passagens aéreas, pacotes turísticos, visto japonês, venda Japan Rail Pass

Passagem Aérea para o Japão - Narita, Nagoya e Osaka

Passagens aéreas, pacotes turísticos, visto japonês, venda Japan Rail Pass

Pacote de turismo para o Japão e para o Oriente

Passagens aéreas, pacotes turísticos, visto japonês, venda Japan Rail Pass